Kill Bill Archives - YouCine
YouCine logo

Kill Bill: A estética da violência de Quentin Tarantino

Kill Bill

Quentin Tarantino é conhecido na indústria como um gângster, e isso se deve à sua personalidade. Todos os seus filmes são nitidamente satíricos, em vez de refletirem a sociedade ou a humanidade, e o meio pelo qual ele alcança essa sátira é a estética extravagante e individualista da violência em Kill Bill. Baixe o Youcine gratuitamente e assista a Kill Bill e a inúmeros filmes e programas de TV em qualidade e som HD. Além disso, com o Youcine, você pode assistir a jogos de futebol ao vivo gratuitamente. O mais importante é que o Youcine é totalmente funcional e oferece projeção de tela para uma experiência de visualização excepcional. Quentin gosta de sangue, por isso “Kill Bill” é repleto de jatos de sangue, lutas com armas frias para que o público sinta de vez em quando o gosto de sangue enferrujado, a alta concentração de vermelho estimula os globos oculares das pessoas, uma cena de filmagem legal, mas violenta, para que o nosso mau gosto tenha uma grande satisfação, que é a estética da violência de Quentin, ele filma tudo o que gosta em primeiro lugar, para que você goste ou não goste dele! Ele não se importa, apenas sabe que as pessoas com gostos semelhantes aos dele vão adorar seus filmes. Kill Bill, assim como todo o trabalho de Quentin, é violento, mas muito bem filmado e, nesse contraste extremo, o conceito de estética violenta se consolida. Nos filmes de ação em que não há muitas falas, essas linguagens de câmera delicadas complementam a narrativa do diretor. Quentin emprega várias técnicas de filmagem na série Kill Bill, a maioria das quais homenageia filmes mais antigos, como os closes rápidos da câmera que são comumente usados nos filmes de artes marciais de Hong Kong. Kill Bill: Sem espaço para crueldade Quentin, que escreveu o roteiro, permite que Nikki, uma menina de 5 anos, testemunhe o assassinato de sua mãe (Copperhead), Gogo, uma estudante japonesa do ensino médio, mate um homem adulto de forma despreocupada, uma noiva grávida leve um tiro na cabeça, um paciente inconsciente seja estuprado e assim por diante. Sua imaginação corre solta pelo lado brutal da natureza humana e, por incrível que pareça, o público não vomita no estômago. A extrema crueldade, aliada à linguagem poética mencionada mais tarde e às cenas de sangue exageradas em anime, dão ao filme uma sensação de irreal. Parece lembrar o subconsciente do público: este é apenas um jogo, portanto, aproveite as imagens brutais, o sangue glorificado e a violência poética. Será que Quentin conseguiu capturar o lado sombrio da natureza humana – o desejo de violência? Será que só é preciso dar um nome adequado a ele para poder apreciá-lo? Cenas de sangue animadas Em comparação com outros trabalhos de Quentin, “Kill Bill” usa muitas cenas violentas no estilo anime japonês para criar impacto visual, como se quisesse estabelecer um tipo de estética sangrenta (mórbida?). estética. De qualquer forma, ele conseguiu deixar uma impressão inesquecível na mente do espectador. Há puro anime aqui: durante os anos de formação de O-Ren Ishii (codinome “Cotton Mouth”) (interpretada por Lucy Liu), o filme insere grandes porções de anime violento no estilo japonês, com os assassinatos sangrentos exagerados ao extremo de maneira descarada. Há também cenas reais no estilo anime: por exemplo, a execução de O-Ren Ishii do líder dissidente da gangue, decapitando-o com sangue como se fosse uma fonte, e a briga final na boate, onde membros humanos são cortados como se fossem legumes. Estranhamente, esse tipo de exagero deliberado de sangue não só não causa repulsa, mas também fortalece os elementos de fantasia e jogabilidade, o que às vezes tem um sabor cômico. Essência cômica (Comic) A essência cômica de Kill Bill também está presente em alguns momentos, como a noiva aparentemente morta há muito tempo cuspindo de repente no rosto de um policial cowboy e a cruz vermelha no capuz de um olho só da assassina Elle Driver. Isso parece lembrar o público de que se trata de uma comédia, portanto, relaxe e divirta-se. A indefinição da linha entre o bem e o mal No filme, Bill envia Elle ao hospital para “matar” a noiva em coma e, quando ele está prestes a injetar o veneno, Bill liga para Elle e decide deixar a noiva ir embora, pois esse tipo de traição prejudica suas identidades. Os roteiristas de Kill Bill complicam a natureza humana em sua representação, borrando intencionalmente as linhas entre o bem e o mal, o que não é exclusivo desse filme, mas já pode ser visto cada vez mais no cinema e na televisão contemporâneos. Kill Bill parece ser uma lei de caracterização. É difícil fazer com que um personagem positivo “se destaque”, ou seja, deixe uma impressão profunda no público e, se isso não for bem feito, uma imagem positiva e entediante afastará as pessoas – as pessoas não vão ao cinema para serem submetidas à moralidade. As pessoas não vão ao cinema para serem moralizadas. Portanto, é melhor ter um antagonista, e quanto mais malvado for o personagem, mais emocionante será quando ele for eliminado (por exemplo, por vingança), e ele deve ser colocado no final do filme, e quanto mais magnífico ele for, melhor. Mas fazer o mal apenas por fazer o mal é exagerado, e a caracterização se torna implausível. Portanto, a abordagem popular parece ser dar ao vilão final (Villain) as qualidades de um ser humano, um alto nível de inteligência emocional, um alto nível de inteligência e, às vezes, até mesmo as qualidades de um artista, um estudioso e um filósofo. Esse vilão, mesmo depois de ser eliminado, deixa você com a sensação de que o triunfo da justiça foi apenas um acaso temporário e com uma sensação de emoção não satisfeita. Linhas poéticas e dramáticas Assim como os personagens de Shakespeare, não há melhor maneira de expressar o mundo interior de um personagem do que com uma linguagem poética repleta de retórica, que provavelmente é a magia do teatro. … Ler mais