Dog Man Archives - YouCine
YouCine logo

Dog Man Contar histórias de pessoas boas com cães

Dog Man

Depois de ouvir o título de “Dog Man” e ler parte do enredo, pensei imediatamente: “Esse não é um filme de “bela cura”, é? Assista ao filme Dog Man no YouCine! O YouCine tem uma enorme biblioteca de conteúdo que abrange uma grande variedade de filmes, programas de TV, eventos esportivos, documentários, programas infantis e muito mais. Afinal, no passado, muitas obras baseadas no tema dos animais estavam acostumadas à criação de um modelo. A fórmula provavelmente é um protagonista “cobra”, que é inadvertidamente curado por um “cachorro fofo”, e depois colhe as recompensas de ser tocado e se torna bem-sucedido. Entretanto, depois de clicar no trailer de Dog Man, descobri que, em vez de usar filtros ensolarados para acentuar a fofura do cão, como nos “filmes de animais fofos”, o filme mostra ao público o lado feroz do animal. O cão feroz de Dog Man salta e morde no ar, cheio de poder Além das cenas com cães, o trailer também é rico em elementos “humanos”, incluindo, mas não se limitando a, violência doméstica, interrogatório policial e tiroteios entre gangues. Aqui, os cães não parecem fofos, mas sibilam com as presas à mostra! A sobreposição dos elementos mencionados acima torna Peach muito empolgante. Afinal de contas, em uma época em que as criações estereotipadas estão por toda parte, estou mais interessado em ver algo inesperado. Dito isso, é importante mencionar que Dog Man sai da trilha batida: O filme usa o cão para construir uma história humana intrinsecamente entrelaçada e estranhamente familiar. Em poucas palavras, Dog Man apresenta dois núcleos – “auto-redenção” e “auto-descoberta” – por meio da representação da dura realidade. Na história, o protagonista Douglas não é um personagem medíocre típico da peça, porque ele é cheio de “complexidade”. Quando criança, Douglas foi aleijado por seu pai brutal e seu irmão mais velho, que o jogaram em uma jaula de cachorro por simpatizar com os cães de briga da família. A estrutura familiar deformada e o ambiente cruel convenceram Douglas de que os cães eram mais confiáveis do que as pessoas. Mas, como dizem os sábios, a natureza do homem é a soma das relações sociais. Depois de fugir de sua família, Douglas também pensou em se integrar à sociedade, reconstituir sua personalidade e se defender sozinho. Entretanto, a tortura da realidade fez com que ele batesse na parede várias vezes. Um golpe para a sociedade civilizada?  Os sucessivos contratempos abalaram o pilar espiritual e o local de existência de Douglas. Assim, ele optou por se esconder da civilização “disfarçando-se”, deixando para trás as marcas civilizadas do homem e voltando-se para o sobrevivencialismo da “matilha de cães”. E com o poder dos cães, ele se tornou o famoso “deus cão” da vizinhança. A diferença entre um deus e um homem é que o primeiro cria a ordem e o segundo a segue. Mas a contradição entre ordem e ordem arrasta Douglas para um abismo perigoso. …… Essa história parece semelhante a muitos sucessos de bilheteria comerciais com “anti-herói” e “protagonista que desmaia”. Mas é preciso dizer que a engenhosidade da peça é transformar o “mundano” em “surpresa”. E essa engenhosidade vem do “cachorro” como o simbolismo do filme. O cachorro é uma grande obra de arte Como eu disse anteriormente, Douglas, o protagonista, foi abusado quando criança e está no meio termo entre o homem e o cachorro: ele não tem a dignidade que pertence a um homem, mas aprecia as virtudes de um cachorro. Mais tarde, sua experiência completa uma mudança quantitativa no acúmulo de eventos, e sua imagem de caráter também passa por uma mudança qualitativa. Nesse contexto, então, um dos papéis dos cães é preencher as lacunas na visão de mundo de Douglas. O chamado “deus cão” é mais como um “produto razoável” formado pelo protagonista, que é um “ser humano”, combinando as qualidades dos cães. O simbolismo do “cão” também corresponde aos três estágios da mudança cognitiva do protagonista. No estágio inicial, o protagonista não consegue encontrar um lugar para si na sociedade humana, e os cães se tornam a única existência que o aceita. Nesse processo, os cães simbolizam um tipo de reconhecimento do mundo exterior, um substituto para a família. Mais tarde, o protagonista encontra muitos obstáculos na sociedade humana, mas os cães sabem como sobreviver em solidariedade. Nessa relação “simbiótica” com o cão, o protagonista ganha o poder de recuperar sua dignidade, e o cão se torna Deus, um símbolo de poder. O estágio final parece ser o mais pacífico, mas também é o mais doloroso. Naturalmente, é também aquele sobre o qual Tao gostaria de falar menos e recomendar a todos que vejam com seus próprios olhos. Na realidade, os humanos e os cães podem se aceitar mutuamente, mas, afinal, não são da mesma espécie. E, em um diálogo com um criador de perfis que também carrega traumas, o protagonista opta por fazer confidências. Nesse momento, o cão se torna uma ponte de compreensão e o herói se aproxima da redenção final. (Mais uma vez, dica, o enredo é brilhante, você precisa ver por si mesmo) O simbolismo não é apresentado de uma forma dogmática e “fada”. Em vez disso, eles são construídos por meio de emoções como dor e perda. É por isso que o diretor Luc deu grande importância à expressão das emoções na criação de Dog Man. Ele disse certa vez que, embora as pessoas saibam que o filme é fictício, elas ainda querem extrair algum tipo de verdade da história. Portanto, ele queria tornar esse filme Dog Man o mais honesto possível. Ele quer que o público sinta a dor pela qual o protagonista passa e as ações que ele toma. O diretor Luc Besson acrescenta que o personagem principal, Douglas, é emocionalmente carregado e sensível Por que o diretor Luc escolheu fazer um filme como Dog Man?