O Grande Hotel Budapeste Archives - YouCine
YouCine logo

O Grande Hotel Budapeste: Conto de fadas distópico, teto estético

O Grande Hotel Budapeste

O Grande Hotel Budapeste é o oitavo filme escrito e dirigido pelo diretor americano Wes Anderson. O filme conta a lenda de um famoso zelador de um grande hotel europeu durante a guerra e a história de sua amizade com um jovem funcionário que mais tarde se torna seu protegido de maior confiança. A lenda do zelador liga um ladrão a uma pintura renascentista, a batalha de uma família pela riqueza e uma guerra repentina que muda toda a Europa. O filme ganhou os prêmios de Melhor Figurino e Melhor Direção de Arte no 87º Oscar. Quando se trata do software YouCine, ele é a plataforma definitiva para você assistir a uma grande variedade de filmes e programas de TV. Ele oferece recomendações personalizadas, downloads off-line e muito mais para facilitar a localização e a exibição do seu conteúdo favorito. Além disso, o YouCine está disponível em várias plataformas para proporcionar a você a melhor experiência de entretenimento. Registre-se agora e descubra mais! Programação inteligente de câmera O filme O Grande Hotel Budapeste usa lentes de curta distância focal várias vezes para capturar espaços como o Grande Hotel Budapeste e a mansão da Condessa. As lentes de curta distância focal são caracterizadas por uma maior profundidade de campo em termos de imagem e são frequentemente usadas para mostrar um campo de visão mais amplo. Portanto, um dos objetivos do uso de lentes de foco curto no filme é moldar melhor o momento extraordinário do espaço da imagem. Além do uso de lentes de distância focal curta, o filme também usa muitas lentes panorâmicas para apresentar pessoas, coisas e objetos. Por exemplo, quando o filme conta a história da década de 1930, a primeira aparição de Gustave e sua caminhada em direção à casa a partir da varanda do hotel é mostrada pelo uso de uma tomada panorâmica. Além disso, depois de se despedir da Condessa em frente ao hotel, Gustave conhece o jovem porteiro, Wu, e os dois se movem da porta do hotel usando uma tomada panorâmica, que entrelaça os personagens e o cenário do filme em ação. O público pode ver mais e mais do cenário por meio dessas tomadas, seguindo os movimentos dos personagens. Os movimentos dos personagens nesse tipo de movimento de câmera são muito suaves e coerentes. Dessa forma, a imagem do gerente do hotel, que é confiante e imperturbável, e a do carregador, que é novo na cidade e é cauteloso, são apresentadas de forma vívida e simultânea. É fácil perceber que o movimento da câmera desempenha um papel muito importante na caracterização. A estrutura narrativa única de O Grande Hotel Budapeste O Grande Hotel Budapeste também é único em sua estrutura narrativa em ziguezague. Há quatro camadas no filme, e essa estrutura narrativa em camadas é o design mais exclusivo de O Grande Hotel Budapeste. No início do filme, uma garota entra no antigo cemitério de Ruiz com um livro na mão e vira o livro para a contracapa para revelar a foto do autor, que é a primeira camada da estrutura narrativa. Imediatamente após isso, a cena muda para 1985, e o escritor idoso senta-se atrás de uma mesa, de frente para a câmera, contando e relembrando a história de sua juventude, que é a segunda camada da estrutura narrativa. O segundo nível da estrutura narrativa é o jovem escritor ouvindo o idoso no Grand Hotel em Budapeste, em 1968. Em seguida, chega-se a 1932, e a história da década de 1930 é a parte da história que o diretor quer enfocar para o público, que é a quarta e última camada da estrutura narrativa. Quando a história da década de 1930 chega ao fim, o jovem Sr. e Sra. No e Gustave estão em um trem viajando para Lutz, o fim da vida de Gustave. A cena volta para os anos 1960, quando o jovem escritor se senta no restaurante de um hotel e conversa com o Sr. e a Sra. No. Ao final da conversa, o jovem escritor se senta em um sofá e a cena volta para os anos 1980. Após a conversa, o jovem escritor se senta no sofá e a cena volta para a década de 1980, quando o escritor mais velho se senta no sofá e o antigo cemitério de Ruiz, onde a garota se senta em um banco e lê um livro, aparece no início do filme. Essa estrutura narrativa como um todo parece ser como a palavra “back”, que não está apenas puxando o casulo para dentro, mas também restaurando e reaparecendo do lado de fora. Essa estrutura narrativa aninhada não é apenas harmoniosa, mas também organizada e extremamente bonita. Composição equilibrada e simétrica O uso de composições equilibradas e simétricas por Wes Anderson é o mais representativo de seus filmes. Entre esses princípios de composição, o conceito de harmonia e equilíbrio não é apenas o mais básico, mas também o mais importante. O uso desse princípio em O Grande Hotel Budapeste, de Wes Anderson, atinge seu auge, formando a beleza equilibrada única das imagens do diretor. No início do filme, há composições simétricas, como a aparência do antigo cemitério de Ruiz, a escultura do memorial do escritor na neve, a menina na neve com um livro na mão, o escritor idoso contando uma história etc., e depois que o escritor entra em suas memórias, o Grande Hotel Budapeste aparece na recepção do hotel, nos banheiros, na sala de jantar, na escada etc. …… Essas composições equilibradas aparecem intermitentemente até o final do filme. Visualmente, essas composições simétricas podem fazer com que as pessoas se sintam muito arrumadas e coordenadas, e essas composições arrumadas e coordenadas aparecem em grande número nesse filme, o que faz com que o filme inteiro dê ao público um senso de estética harmonioso e equilibrado. Além de um grande número de composições de imagem equilibradas, há também um design exclusivo no filme. “O Grande Hotel Budapeste” lembra o público por meio da legenda no início do filme: “Please … Ler mais